14/11/2016

Cagarras são salvas na costa norte

À semelhança do que foi noticiado sobre iniciativas realizadas no Funchal e no Paul do Mar, também a costa norte da Madeira se assume amiga das aves marinhas e têm sido várias as entidades e populares que têm feito a recolha de aves marinhas.

Em São Vicente, o município prontificou-se a diminuir a poluição luminosa neste período crítico para as cagarras. Desta forma, a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) identificou pontos sobreiluminados, principalmente na frente-mar e centro da vila, para que se procedesse à redução da iluminação pública.

A recolha de aves marinhas é importante, mas prevenir o encandeamento e colisão das mesmas é crucial. Por irem à raiz do problema, as medidas que o Município de São Vicente pôs em prática são importantes para a conservação destas aves. Deste modo, as práticas compatíveis com a biologia das aves marinhas devem ser prioritárias para entidades e população em geral.

Centro de Ciência Viva do Porto Moniz

Por outro lado, no concelho do Porto Moniz, o Centro de Ciência Viva tem sido ativo na recolha e libertação de aves marinhas, principalmente por iniciativa de Liliana Sousa. O nosso formulário recebeu vários registos de cagarras recolhidas na zona do edifício do Centro de Ciência Viva e do Posto de Turismo do Porto Moniz, que ao anoitecer foram libertadas junto ao mar.

Ainda dentro do mesmo concelho, na freguesia do Seixal, temos o Clube Naval do Seixal que também tem sido exemplar na recolha de cagarras. Foram já várias as cagarras encandeadas que sofreram quedas junto à zona do Clube Naval. O procedimento foi o de recolha e libertação destas aves.

Zona onde se localiza o Clube Naval do Seixal

Neste período específico, em que as cagarras juvenis saem dos seus ninhos entre outubro e novembro, é importante que a atenção se redobre sobre esta espécie que, na Madeira, é das mais abundantes aves marinhas. No entanto, durante todo o ano, várias outras espécies de aves marinhas sofrem com a poluição luminosa: ficam encandeadas, colidem com edifícios e outro tipo de mobiliário urbano e caem no chão, desnorteadas.

Ajude-nos a salvar as nossas aves marinhas e colabore na sua conservação. Para o esclarecimento de qualquer dúvida ou sempre que encontre um animal, contacte-nos através do nosso telefone 967 232 195, do e-mail madeira@spea.pt ou do Formulário Salvei uma Ave Marinha.

Sem comentários:

Publicar um comentário