10/11/2016

Tome a iniciativa: recolha e liberte aves encandeadas

Ao encontrar uma ave marinha encandeada proceda à sua recolha e libertação. Se a ave apresentar ferimentos visíveis deve contactar o Instituto de Florestas e Conservação da Natureza. Foram várias as pessoas, grupos e demais entidades que encontraram aves caídas e, por sua própria iniciativa, devolveram-nas à natureza. A todas elas agradecemos!

Exemplo disso foi a Brigada de patrulhamento para a recolha de aves marinhas realizada na frente-mar do Funchal. A iniciativa levada a cabo pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), organizadora da Campanha "Salve uma Ave Marinha", juntou 13 pessoas que recolheram uma cagarra encandeada junto do Teleférico do Funchal na sexta-feira à noite, dia 28 de outubro.

No fim de semana que se seguiu, as cagarras enfrentaram as noites de lua nova. Estas noites potenciaram a poluição luminosa e fez com que os registos de cagarras encandeadas tivesse aumentado exponencialmente. Por isso mesmo, na segunda-feira dia 31, elementos da equipa da SPEA Madeira voluntariaram-se para libertar quatro cagarras que foram encandeadas pela poluição luminosa.


O Bairon, o Emanuel, a Gisela, a Marta e a Nadine ajudaram no registo de algumas biometrias às aves e, logo depois, libertaram as aves numa praia pouco iluminada do concelho do Funchal.

Já noutro concelho, na Calheta, Paul Abbiati promoveu o salvamento de várias cagarras junto da população da freguesia do Paul do Mar. Com as noites de lua nova, foram salvas cinco cagarras com uma brigada organizada pelo próprio.

Paul Abbiati e uma brigada de salvamento de cagarras
formada por crianças e jovens do Paul do Mar

O Paul disse-nos mesmo que a população da localidade recolhia as aves dos terraços e quintais das suas casas e, por sua própria iniciativa, iam junto ao mar libertá-las. Noutras vezes, o Paul encontra-se com as pessoas e informa-as sobre a problemática. A situação torna-se por vezes grave por causa de cães e gatos abandonados que podiam tornar-se predadores das cagarras encandeadas.

Tomar iniciativas como estas é importante não só para a sensibilização da população para a problemática da poluição luminosa, como também para o salvamento das aves marinhas. Envolver as comunidades na conservação da natureza e sua fauna e flora permite que se incuta um desenvolvimento sustentável, através de uma harmonia entre a presença humana e a presença animal.

Pela sua abundância na arquipélago da Madeira, as cagarras são as aves marinhas que mais frequentemente são encandeadas e sofrem colisões e quedas em consequência da iluminação pública, principalmente entre outubro e novembro, altura em que os juvenis saem dos ninhos. No entanto, tantas outras espécies de aves marinhas sofrem do mesmo problema durante todo o ano.

Ajude-nos a salvar as nossas aves marinhas e colabore na sua conservação. Para o esclarecimento de qualquer dúvida ou sempre que encontre um animal, contacte-nos através do nosso telefone 967 232 195, do e-mail madeira@spea.pt ou do Formulário Salvei uma Ave Marinha.

Sem comentários:

Publicar um comentário