21/10/2021

Peddy Paper da Campanha Salve uma Ave Marinha

A Campanha SAM 2021 conta com algumas novidades. Dia 23 de outubro decorrerá um Peddy Paper sobre a campanha no Parque de Santa Catarina, no Funchal.



Contamos com a participação de um grupo de escuteiros que se dividirão em equipas e vão descobrir mais sobre as aves marinhas e as suas ameaças. As atividades consistirão em observar as aves do jardim, conhecer mais sobre as aves marinhas e aprender a reciclar, bem como ter noções de como salvar uma ave marinha vítima de encandeamento pela luz artificial noturna.

Esperemos que estas crianças se tornem uns verdadeiros super-heróis no salvamento de aves!

Fazemos o apelo: torne-se um Guardião das Aves Marinhas. Fique responsável por uma zona e faça rondas noturnas em busca de aves caídas.

Podemos contar consigo?



18/10/2021

Venha visitar-nos e recolha o seu kit de salvamento de aves marinhas

De dia 15 de outubro a 15 de novembro, a nossa sede da SPEA Madeira está aberta ao público com uma exposição sobre a Campanha Salve uma Ave Marinha. Faça-nos uma visita para saber mais sobre esta campanha, e participe como voluntário.

Venha recolher o seu kit de salvamento e ajude-nos nas Brigadas de Patrulhamento que vão decorrer de 28 de outubro a 4 de novembro.

Contacte-nos com a sua disponibilidade para fazer rondas noturnas em busca de aves encandeadas através do e-mail madeira@spea.pt.





08/10/2021

A Campanha Salve Uma Ave Marinha começa dia 15 de outubro!

No próximo dia 15 de outubro, é celebrado o início da Campanha Salve uma Ave Marinha, que já conta com 12 anos de existência.

Marque na sua agenda as datas mais importantes:

15 OUT - Dia aberto - A Sede da SPEA Madeira estará aberta ao público para dar a conhecer a campanha e facultar um Kit para salvar aves marinhas. Visite-nos na Rua da Mouraria, nº9, 4ºB, Funchal, entre as 16h e as 18h.


23 OUT - Peddy Paper - Decorrerá um Peddy Paper no Jardim de Santa Catarina, entre as 10h e as 13h, destinado a crianças, com atividades e jogos ao ar livre no âmbito da Campanha Salve Uma Ave Marinha. Passe pelo parque para aprender mais sobre as aves marinhas e as suas ameaças.


28 OUT a 4 NOV - Brigadas de Patrulhamento - As Brigadas de Patrulhamento farão rondas noturnas em busca de aves encandeadas. Quer juntar-se a nós? Qualquer pessoa pode ajudar! Contacte-nos com a sua disponibilidade para madeira@spea.pt.


Todos os anos, são salvas cerca de 200 aves marinhas, maioritariamente juvenis, vítimas da poluição luminosa.

A data escolhida para o decorrer da campanha coincide com a saída do ninho dos juvenis de cagarra (Calonectris borealis). Esta é a maior e mais abundante ave marinha na região, sendo que é também a que é mais afetada pela luz noturna artificial. Ou seja, é a cagarra a ave mais recolhida durante a nossa campanha! As cagarras juvenis, que saem dos seus ninhos entre outubro e novembro e, atraídas pela iluminação pública, colidem com edifícios, linhas elétricas e veículos. A situação piora ainda mais em noites de lua nova. 😥

Esteja atento aos próximos dias pois a probabilidade de encontrar uma ave que precise da sua ajuda é elevada!

As ameaças atuais a esta espécie resultam principalmente da introdução de predadores nas áreas de reprodução, da perda de habitat derivada da expansão urbana, da poluição luminosa que leva à desorientação de juvenis e da captura acidental em artes de pesca. Apesar da proteção legal e da redução significativa na captura ilegal de crias nos últimos anos, poderão ainda ocorrer alguns eventos pontuais de captura ilegal. A erradicação de predadores introduzidos é uma medida importante para a conservação da cagarra, sendo necessário ponderar as relações tróficas existentes entre as várias espécies de mamíferos antes de qualquer intervenção.

Seja voluntário e contribua para o resgate dos juvenis que estão a sair dos ninhos e sofrem com encandeamento pela luz. Faça parte da nossa brigada de patrulhamento e contacte-nos com a sua disponibilidade para fazer rondas noturnas em busca de aves encandeadas através do e-mail madeira@spea.pt.

Se encontrar uma ave marinha encandeada deve aproximar-se lentamente e pôr a ave numa caixa de cartão, para posteriormente soltá-la à noite, à beira-mar, num sítio calmo e escuro.

Contacte-nos com o seu registo através do telefone 967232195 ou preencha o formulário em 
https://bit.ly/2x1AWSP. Caso a ave esteja ferida, contacte o Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, RAM através do 961957545 (09:00-17:30) ou a GNR - Comando Territorial da Madeira (disponível 24 horas).

Salvar a vida de uma ave marinha não é uma tarefa tão difícil. Por isso é tão importante a colaboração da população para a recolha e identificação de aves marinhas encandeadas.


Salve uma Ave Marinha. Podemos contar consigo?

 No Arquipélago da Madeira e Selvagens, nidificam 8 espécies de aves marinhas da ordem Procellariiformes. Já as conhece todas?

Esteja atento ao calendário: este mês de setembro abrange a saída dos ninhos dos juvenis de alma-negra, roque-de-castro e freira-da-madeira.

Salvar uma ave marinha não é difícil. Recolha a ave desorientada e deixe-a junto ao mar, à noite, num local escuro e seguro. Nestas alturas críticas, as aves podem vir a necessitar da sua ajuda para regressar ao mar.Contacte-nos com o seu registo através do telefone 967232195 ou preencha o formulário em https://bit.ly/2x1AWSP.

️ Caso a ave esteja ferida, contacte o Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, RAM através do 961957545 (09:00-17:30) ou a GNR - Comando Territorial da Madeira (disponível 24 horas).

🔍 Saiba mais em http://salvar-avemarinha.blogspot.com/.

#salveumaavemarinha

ALMA-NEGRA

Sabia que a alma-negra com mais idade, de que se tenha conhecimento, foi registada entre 1992 e 1993, com 24 anos de idade? E que esta é uma espécie com distribuição pantropical ocorrendo nos três principais oceanos?

AMEAÇAS

Atualmente as colónias de almas-negras estão restritas a ilhas e pequenos ilhéus livres de predadores exóticos, tais como ratazanas, gatos e mustelídeos, constituindo estes predadores a sua principal ameaça em Portugal, tendo exterminado as populações nas ilhas onde foram introduzidos. Na ilha da Selvagem Grande é conhecida a predação de adultos e de crias por gaivotas, no entanto o impacto desta ameaça na população é ainda mal conhecido. Outros fatores de mortalidade podem estar relacionados com a ingestão de detritos marinhos sintéticos e a poluição luminosa.



ROQUE-DE-CASTRO

Sabia que existem duas populações de roque-de-castro bem distintas? Estas populações apresentam caraterísticas morfológicas, períodos reprodutivos e vocalizações diferentes. A população de inverno é mais abundante e nidifica entre setembro e fevereiro, enquanto a população de verão nidifica de março a outubro.

AMEAÇAS

A nível global, apesar do grande tamanho da população e da extensa área de distribuição, a espécie parece estar em declínio. As principais ameaças identificadas em Portugal são a presença/introdução de predadores, o aumento da pressão por parte de predadores naturais e a perturbação humana.

FREIRA-DA-MADEIRA

Sabia que a freira-da-madeira é considerada uma das aves marinhas mais raras do Mundo? Esteve declarada extinta até o fim dos anos 60, altura em que foi redescoberta. A partir daí várias medidas de conservação começaram a ser aplicadas até aos dias de hoje.

AMEAÇAS

No passado, a captura de adultos, de juvenis e de ovos poderá ter representado uma ameaça importante para esta espécie. A predação direta por ratazanas e por gatos assilvestrados deverá ter sido a causa da extinção desta freira em outros locais da ilha da Madeira. A presença continuada de herbívoros introduzidos (cabras, ovelhas e coelhos) terá potenciado a destruição das suas principais áreas de nidificação. As diversas campanhas de controlo destas ameaças, realizadas desde 1987, terão permitido a recuperação do habitat de nidificação e da população desta espécie. Devido à sua restrita área de nidificação, fenómenos ocasionais (como é exemplo o incêndio de 2010) representam também uma ameaça direta para a freira-da-madeira.




Preparações para a campanha Salve Uma Ave Marinha 2021



Cientes dos elevados números de aves marinhas vítimas da poluição luminosa, em 2009, a SPEA - Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves criou a Campanha Salve uma Ave Marinha.
A grande aposta foi sempre na sensibilização da população para a problemática da poluição luminosa, atuando na redução na emissão de luz e também na formação sobre o procedimento a adotar perante uma ave desorientada.

Contando com 12 anos de regaste de aves marinhas, este ano contará com eventos de divulgação (peddy paper e dia aberto na sede da SPEA Madeira) e haverão brigadas de patrulhamento a fazer rondas nas noites mais propícias a quedas (lua nova - de 28 outubro a 4 novembro), bem como entrevistas na tv e rádio.

Qualquer pessoa pode ajudar! Contacte-nos com a sua disponibilidade para madeira@spea.pt.
Salvar a vida de uma ave marinha não é uma tarefa tão difícil. Por isso é tão importante a colaboração da população para a recolha e identificação de aves marinhas encandeadas.

Todos os anos, são salvas cerca de 200 aves marinhas, maioritariamente juvenis, vítimas da poluição luminosa.

Porque as aves marinhas são afetadas pela luz noturna artificial?
Como resultado dos seus hábitos noturnos em terra e orientação pelos padrões estrelares, as aves marinhas possuem olhos adaptados à visão noturna.
Estas características, que lhes fornecem uma vantagem adaptativa, tornam-nas também mais sensíveis à luz.
Como resultado, as luzes das cidades encadeiam as aves marinhas, desorientado-as.
Os juvenis são particularmente vulneráveis. Devido à sua falta de experiência são, muitas vezes, atraídos por essas luzes!

A poluição luminosa exerce efeitos negativos num conjunto alargado de espécies, para além das aves marinhas.
Artrópodes, répteis, humanos e outros mamíferos, assim como outras aves sofrem com os efeitos nefastos do excesso de luz.
Luzes mais eficientes poluem menos e contribuem para um planeta mais saudável.
Reduza a luz, estará a ajudar o ambiente e a poupar energia.

Cerca de 75% da população da Madeira vive na costa sul, resultando ser a fração da ilha com maior número de aves marinhas vítimas de encandeamento.
As ruas sobreiluminadas, os projetores de luz mal direcionados (para escarpas e para o mar) e os candeeiros que não bloqueiam a emissão de luz para o céu, contribuem para a poluição luminosa das cidades.


Consulte o calendário e nas épocas críticas das várias espécies esteja atento a aves que possam necessitar da sua ajuda para regressar ao mar. Este mês de setembro abrange a saída dos ninhos dos juvenis de alma-negra, roque-de-castro e freira-da-madeira.

Contacte-nos com o seu registo através do telefone 967232195 ou preencha o formulário em https://bit.ly/2x1AWSP. 

❗️ Caso a ave esteja ferida, contacte o Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, RAM através do 961957545 (09:00-17:30) ou a GNR - Comando Territorial da Madeira (disponível 24 horas).

🔍 Saiba mais em http://salvar-avemarinha.blogspot.com/.

#salveumaavemarinha

Ameaças às aves marinhas 🎣🐱💡 | Caça ilegal de cagarra 🚫

 Quais são as principais ameaças às aves marinhas? 🎣🐱💡

Sabia que continua a haver caça ilegal de cagarra? 🚫


Como resultado dos seus hábitos noturnos em terra e orientação pelos padrões estrelares, as aves marinhas possuem olhos adaptados à visão noturna. Estas características, que lhes fornecem uma vantagem adaptativa, tornam-nas também mais sensíveis à luz. Como resultado, as luzes das cidades encadeiam as aves marinhas, desorientando-as. Os juvenis quando saem dos ninhos, por serem pouco experientes, são atraídos pela luz artificial e ficam desorientados, caindo entre as cidades e por vezes colidindo com edifícios, carros ou postes de luz.

A SPEA Madeira, através da Campanha Salve Uma Ave Marinha, procura minimizar os impactes da luz noturna artificial nas aves marinhas, sensibilizando a população para a redução da luz e para o resgate das aves encadeadas.  Saiba mais sobre a campanha no facebook da SPEA Madeira ou no grupo Aves Marinhas da Macaronésia, e veja no calendário quais são as épocas críticas de quedas de aves marinhas, que coincidem com a saída do ninho dos juvenis destas 8 espécies de aves marinhas, da ordem Procellariiformes, existentes no Arquipélago da Madeira.

Calendário das datas das saídas dos juvenis dos ninhos.

Para além da poluição luminosa, as aves marinhas sofrem com outras ameaças:

A captura acidental de aves marinhas acontece quando estas ficam presas nas artes de pesca. Este é um problema de conservação a nível global que provoca, apenas em águas europeias, a morte de cerca de 200.000 aves por ano. Na Madeira, apenas é permitida a pesca em Palangre, dedicada ao peixe-espada.

As aves marinhas não conseguem adaptar os seus ritmos biológicos às alterações da temperatura dos oceanos. Com as alterações climáticas, cada vez é mais difícil para estas aves encontrar alimento para as suas crias.

A poluição é uma das maiores ameaças, chegando anualmente 8 milhões de toneladas de plástico ao oceano. Os efeitos são muito negativos para toda a vida selvagem e para os ecossistemas marinhos, com um milhão de aves marinhas a morrer, todos os anos, devido à poluição por plástico.

Sozinhas ou em bando, milhares de aves voam todos os anos para a Madeira. Aqui passam o período mais importante das suas vidas, o da reprodução. O ambiente insular é o destino perfeito para a nidificação, mas com a chegada do Homem e a introdução de novas espécies, o equilíbrio natural sofreu alterações e as colónias ficaram expostas a novos perigos. Encontrar um local seguro e abrigado para fazer ninho, é por isso uma tarefa levada muito a sério: dela depende a sobrevivência dos ovos e dos filhotes recém-nascidos, presas indefesas de predadores como o rato, o murganho, a cabra ou o gato silvestre. Os ninhos normalmente localizados em cavidades naturais ou em buracos escavados no solo são, muitas vezes, ameaçados por plantas exóticas invasoras.

Principais ameaças às aves marinhas.

cagarra (Calonectris borealis) é a ave marinha mais abundante que nidifica em Portugal e a maior das pardelas da Europa. É facilmente identificável pelo seu voo: longos deslizes sobre a superfície da água. Esta ave é extremamente ágil no mar, mas muito desajeitada em terra. Esta visita à costa da ilha da Madeira na época de reprodução de fevereiro a novembro. Esta espécie, segundo o IUCN, apresenta um estatuto de conservação Pouco Preocupante (LC) na Região Autónoma da Madeira. Esta espécie apresenta um comprimento de 45 a 56 cm e um peso que ronda entre 700 a 950 gramas.

A cagarra faz o ninho em cavidades naturais, como fendas nas rochas ou sob amontoados de pedras, ou podem ser escavados no solo. Põem apenas um ovo, e ambos os progenitores cuidam da cria, fazendo muitas vezes longas viagens pelo mar, em busca de alimento. Apesar de viverem mais de 30 anos, o facto de porem apenas um ovo e de levarem tanto tempo a atingir a idade reprodutora faz com que a espécie seja muito vulnerável a ameaças como a predação por espécies invasoras, as capturas acidentais na pesca, a perda de habitat, a poluição luminosa e, na Madeira, mesmo nos dias de hoje, ainda sofrem de caça ilegal.

Cagarra adulta no ninho.

Antigamente, em 1964, a caça da cagarra na região era muito recorrente, devido à falta de alimento, esta era muito procurada pela população em geral durante os meses de setembro a outubro de cada ano, ou seja, no fim da época de reprodução (quando os juvenis apresentam mais gordura armazenada) eram organizadas várias expedições às ilhas Selvagens com o intuito de capturar o maior número possível de juvenis. A última expedição ocorreu a 15 de setembro de 1967 quando Paul Zino proibiu a caça à cagarra. Em 1976, devido a uma revolução da população, durante um período de mudança de regime político em Portugal (1974/75) as populações de cagarra que nidificavam nas ilhas Selvagens, maioritariamente a Selvagem Grande, foram, de novo, alvo de chacina, dizimando quase toda a população existente. Desde então a colónia tem tido uma recuperação lenta e graças à introdução de leis e controlo por parte de vigilância permanente esta apresenta uma população que está estimada em 29 540 casais (Granadeiro et al. 2006).

A SPEA, durante as suas ações de monitorização de duas colónias distintas, encontrou vestígios da prática ilegal de caça de cagarras. Três ganchos foram encontrados junto de ninhos outrora ocupados.

A SPEA tem vindo a realizar diversas atividades de sensibilização ambiental relativamente às aves marinhas e suas ameaças, tendo alguns populares mencionado, por diversas vezes, que tinham conhecimento da apanha ilegal e consumo de cagarra atualmente, quer na Madeira, quer no Porto Santo, principalmente pela comunidade piscatória. Esta ave é retirada do seu ninho utilizando ganchos, para posterior consumo da carne.

À semelhança do controlo e proteção destas aves marinhas, que ocorre nas Selvagens, é imperativo que haja mais fiscalização nas colónias e sensibilização à população para o término desta atividade ilegal na Madeira e Porto Santo.

Ganchos encontrados em colónias de cagarra para a prática ilegal de caça.